Scott Pilgrim Contra o Mundo: Vol 2

Só pra avisar que chegou, vou ler umas 78563864523 vezes (já to na metade da segunda lida) e faço um review ISPERTO

Hands-on: PSP go

Olá amiguinhos! Acabei de fazer um breve Hands-On em um PSP go e vou colocar aqui o que eu axei sobre o PSP N1000. Me empolguei e o texto ficou enorme, leiam o resto depois do Continue.

Leia o resto deste post »

Publicado em Em mãos, PSP. Tags: , . 4 Comments »

Pokémon

Bom, como devem ter percebido, eu também andei meio sumido do blog. Não só do blog, pra falar a verdade. O motivo? Meu DSi com Pokémon Platinum chegou mais cedo do que eu esperava. Em mais ou menos 23 dias, já estou com quase 93 horas. Entre uma fuga e outra da Cresselia, resolvi escrever esse post.

Como todos devem saber, o DSi possui um aplicativo chamado Flipnote Studio, pra criar animações simples. Funciona muito bem, obrigado. Queria ter encontrado uma forma de postar direto no blog, mas não consegui. Portanto, se vocês quiserem ver uma das minhas horrendas criações, cliquem aqui.

O update é feito direto para o DSi e apenas para esse site. Quanto a fotos, só é permitido upload direto para o Facebook, mas é simples passar para um cartão SD e depois para o computador. As fotos ficam numa qualidade relativamente  boa, mas, como já disseram por aí, não têm uma resolução muito boa para impressão. Mas, afinal, hoje revelar fotos se tornou um supérfluo, ainda que tenha lá seu charme nostálgico. Não vou postar nenhuma agora, mas quem sabe eu faça isso algum dia…

Quantos aos demais aplicativos, como o DSi Sound e etc., é exatamente aquilo que vocês viram em trailers, sem tirar nem por. Aliás, o DSi Sound tem uns efeitos engraçados, como fazer a sua voz ficar parecida com a de um papagaio e também como se você estivesse passando por um túnel. Mas, não vai muito além disso. Não testei o player de músicas ainda.

E a propósito: consegui me conectar a tempo de ganhar os 1000 pontos grátis. Só não sei no que gasto. Provavelmente eu vá esperar mais um pouco para gastá-los, no entanto.

Bom, por enquanto é isso. Não quero me estender muito agora, então se quiserem que eu descreva um pouco mais depois, farei isso. Agora vou voltar pra Cresselia. Isto é, se ela resolver parar de ficar pulando pelo mapa um minutinho.

EDIT: A bateria está acabando. Vou ter que parar. = ‘ (

Em mãos – Ranma1/2

DSC00181

Quem gosta de mangás ou simplesmente gosta do trabalho da excelente Rumiko Takahashi, não teve como ficar excitado com esse relançamento ( Fiquei tão ansioso que acabei lendo a nova série da Takahashi-sensei no One Mangá, Rinne, que mais tarde posso até falar dele aqui). Uma versão tão bem melhorada da edição brasileira de Ranma 1/2 era tudo o que os fãs precisavam e ainda por cima nós paulistas fomos beneficiados com um lançamento antes da data prevista no site da JBC. O mangá veio, como todas as outras séries da Takahashi-sensei, da revista japonesa Shonen Sunday, que particularmente os únicos mangás que me interesso dela são os da Rumiko Takahashi e Detective Conan. Aqui eu acho que  a JBC precisava tampar o buraco que Inuyasha deixou, já que acabou esse ano, pois assim os fãs da Takahashi-sensei iriam comprar o mangá de Ranma assim como compraram Inuyasha ( E deu certo! ), ou seja aqui não há só um atendimento dos pedidos dos leitores, mas sim uma estratégia comercial. ( Desde que seja boa não faz nenhum mal ^^ )

Eu acho que nem era necessário falar um pouco da história, mas acho que é bom para aqueles que não conhecem. Ranma Saotome e seu pai voltam de um treinamento na China, porém Ranma descobre que seu pai combinou com um velho amigo de o rapaz escolher uma das três belas filhas desse amigo, porém Ranma tem um segredo obscuro, quando toma um banho de agua fria acaba se transformando em uma garota. O que será que acontecerá se o pai das meninas e as próprias descobrirem.

Apesar da capa não ser muito fiel a versão japonesa dá pro gasto pois a ilustração é a mesma e capa é bem feita, como os traços são ainda bem recentes da autora e característicos da época em que foi públicado não espere por um traço realista, mesmo assim o traço é bem legal. A edição é igual a de Hunter X Hunter, o traço é forte algumas linha faltam porém é ótima a imagem, qualquer coisa errada veio da edição japonesa. A tradução foi passada ficando fiel a tradução feita no anime aqui no Brasil, até nos sotaques. A comédia, romance e ação são coisas que se unem aqui de forma fácil e sem ser forçada, um ótimo mangá que tem que ir para sua coleção.

PS: Eu falei na última Jump da semana que iria fazer um post falando do mangá Tegami Bachi, mas como Ranma lançou mais cedo e se eu fizesse um post “em mãos” semana que vem ou amanhã achei que ficaria tarde demais e ele tem mais importância aqui. Amanhã eu falo de Tegami Bachi e provavelmente abro uma coluna com ele.

Em mãos – DNA²

DSC00167

É pois é está ai o novo mangá da JBC, está atrasado mas desde o ínicio eu quis comprar ele para trazer pra cá, pois aposto se vocês tiverem visto DNA² em alguma banca e viram o selo da Shonen Jump devem ter pensado, “Ta ai, mais um mangá pro gabpieri, aquele cara do Epic Failure, analisar” e estou aqui. Apesar de se um título da Jump, e bem clássico,  DNA² eu só conhecia por nome mesmo, nunca cheguei a ver imagem, mas já tinha uma idéia do traço pois o autor Masakazu Katsura-san (é um jeito de como eu chamo eles na minha mente, acho que vo passar a usar aqui porque tenho mó respeito pelos mangakás) já teve um de seus título públicados no Brasil, que também foi da JBC, Video Girl Ai. Não sei se alguem aqui leu ou já ouviu falar,se não conhece recomendo que leia pois além de ser um membro da Jump clássico, é uma série muito boa.

Mas vamos falar de DNA², é uma série da Jump e apareceu na revista semanal Weekley Shonen Jump e não na Square Jup como alguns pensam, seja de onde for é uma ótima mistura de um pouco de ação com Echii total, aqui você não vai ver muitas meninas peladas como em To Love Ru, pelo menos nesse volume, mas irá ver várias calcinhas a se vai. A história gira em torno de Jinta Momonari, um zé mané que tem uma alergia, que pessoalmente nunca ouvi falar, de mulheres, toda vez que chega perto de uma menina acaba ficando tímido e querendo se afastar, se pega na mão já se sente enjoado e se passa disso ele vomita (é sério). Por esse motivo o coitado é sempre o motivo de gozação das meninas, até que um dia uma garota vem do futuro dizendo que ele é um megaplayboy que engravidou cerca de 100 mulheres, essa garota, chamada Karin, é uma especialista e manipuladora de DNA, apesar de desconfiar de que Jinta não é um megaplayboy ( e não é) acaba mudando seu DNA, mas não para uma aparencia pior e sim mudando seu DNA para ele ficar com a característica de um megaplayboy, assim Karin que deveria evitar a superpopulação causada por ele, acaba por ser a principal culpada de tudo e então a confusão começa.

A qualidade do mangá em si é boa, apesar da capa ser uma qualidade igualmente boa é muito mole pro meu gosto, bem o jeito da JBC, mas se compararmos com os mangás japoneses, as capas deles são bem moles mas possuem uma artimanha que evita dobras, e o leitor pode até mesmo tirar a capa para ler, mas isso é assunto pra um futuro post (acreditem). O que eu queria é que a JBC fizesse as capas mais duras como os mangás da Panini. Bom os traços estão excelentes fortes e fáceis de ver, não há nenhuma linha fraca sem ser de propósito. As ilsutrações que começam os capítulos estão juntas no final da edição, aqui não há os comentários do autor e o que é uma pena pois adoraria ver como ele se sente depois de ter se dado bem com Video Girl Ai e começando uma série igualmente boa. Recomendo bastante esse mangá, por ser hilário e por ter uma idéia de trama bem original.

Aqui vai uma curiosidade sabiam que a capa de DNA²  é parecida com a de Video Girl Ai, vejam:

Nota: Os parenteses são comentários pessoais, se quiser ignore.

Claymore 1# em mãos

dsc00098

Ta ai um mangá bem duvidoso de comprar, mas eu estou aqui para ver se vale a pena ou não comprá-lo, agora se cê quer saber o motivo de eu ter comprado, olhe bem a capa, lá você verá o selo da Jump( Não ai na imagem mas sim em uma banca pra ver a contra-capa), agora como eu já disse eu sou um Jump Hunter e ta ai um mangá que eu não conhecia só ouvia falar.O fato muito importante do Claymore é que tenho que ser mais rigido na análise dele, pois ele é bimestral, ou seja só aparece de dois em dois meses, então ai sim a Panini precisa fazer um trabalho ótimo, mas vamos ver o que ocorreu aqui.

Provavelmente o fato de você estar em dúvida de comprar ou não, é por causa da história. O enrendo  é um tipo de D.Gray.Man medieval, e é um mangá que faz jús ao legado da Jump. A capa está em boa qualidade dura e perfeita para evitar amassos( Sendo que o título do mangá foi colocado com um tom de prata pra combinar com o tema). Os traços estão mais leves que os dos exemplares japoneses ,mas não estão apagados o que é coisa boa, mas poderiam dar uma força maior no sombreado que está muito tosco. Um fato que me incomoda é que esse mangá está muito curto, apesar dos tamanhos enormes dos capítulos, e ainda por cima por ser um mangá bimestral, só há quatro capítulos. No mangá tirando o primeiro e o ultimo capítulo não apresenta muita profundidade na história,já a cenas de luta são boas pra caramba, perfeitos para fãn’s de ação de violência ( Sendo que fãn’s de Beserk vão adorar essas partes no mangá apesar de serem cenas mais leves que ele).

Conclusão, é fã de mangás de ação, compre, se procura não só ação mas uma história boa e misteriosa, bom não compre agora mas espere até sair o volume dois e compre em uma loja que tenha os dois disponíveis, pois pela quantidades de capítulos não vale  muito o dinheiro investido. Mas sim é um mangá bom mas espere até o climax rolar.

D.Gray.Man 1# em mãos

dsc00094

D.Gray.Man está nas bancas desde a última quinta-feira, porém se ainda não comprou por falta de dúvidas eu irei falar algumas coisas do mangá para você tomar sua decisão.

Primeiramente a qualidade, muito boa mesmo, as folhas, a capa e os traços estão em ótimo estado. Não há um sequer quadrinho com o traço em péssimo estado, pelo contrário foi muito mais fortificado para deixar mais a característica gótica do mangá, coisa que no japonês quando fui na Fonomag pra dar uma olhada não é usado esse recurso. Os comentários do autor e seus omakes estão lá para matar a curiosidade ( Sendo que Zura* Hoshino faz uns comentários bem digamos non sense e apresentando um pouco de vergonha ao apresentar suas idéias). A tradução também é muita boa, deixando as palavras como akuma desse jeito que escrevi e não uma tradução besta como os caras lá dos EUA gostam de fazer, como o caso de Bleach onde Shinigami virou cefeiro de almas. ( Como eu tenho Jump e vi o mangá original japonês, lá eles falam akuma com letras do ocidente mesmo, mas está abreviada como se faz com nomes máquinas e armas, desse jeito A.K.U.M.A, para deixar claro que se trata de uma arma e não do ser mitológico, e isso me incomodou um pouco, mas isso é bem irrelevante, sendo que por esses canto não faria sentido colocar akuma desse jeito sem ter a explicação das letras. ) E claro para deixar a beleza da páginas há um glossário de todas as palavras desconhecidas e de outras curiosiodades no final do volume.

Ou seja, se não conhece D.Gray.Man, ou já assistiu o anime interio mas quer acompanhar o mangá para ver o que acontece mais adiante compre. Aqui a Panini faz novamente jús a seu troféu joinha.

* : Na verdade o nome do autor é Katsura Hoshino, quem assiste ou le Gintama vai entender, desculpa gente não resisti XD !!!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.